sábado, 27 de novembro de 2010

Entrevistando a Jornalista Laine Valgas


Foi com imensa satisfação que estivemos reunidos na noite do dia 16 de novembro por alguns momentos com nossa colega Laine Valgas, para nosso trabalho de interdisciplinar.



 Em primeiro momento nossa equipe fez a entrevista a Jornalista da RBS TV. Iniciamos com os agradecimentos por podermos contar com a presença da Laine, muito obrigada Laine pela por contribuir conosco.
 Após alguns dias da entrevista, encontramos no site do blog do clic RBS um vídeo da Laine dançando, não resisti e resolvi postar no meu também juntamento com as fotos de nosso trabalho. Não falta muito pro aniversário da Laine, deixo aqui meus parabéns, e votos de felicidades, paz e sucesso!
                 Abaixo uma breve biografia de nossa convidada.

Foto Rosane Reyche




     Biografia Laine Valgas

              Laine Valgas, natural de Florianópolis, é jornalista formada pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina, há 16 anos. Uma apaixonada pela música, pela dança, e é claro pelo jornalismo. Laine traz nas veias a paixão que herdou da família de músicos: cantava em barzinhos, com os pais, além de ser professora de Jazz, antes de ingressar na carreira de jornalista.

video
Retirado do Site da Rbs Tv



Começou na TVBV, afiliada da Rede Band, iniciando em 1994 como repórter, passando a apresentadora  do matinal Dia a Dia Santa Catarina e, em seguida, apresentadora e editora do “Jornal da Barriga Verde” chegando ao cargo de  Chefe de Jornalismo. No ano de 2000, integrou-se ao Grupo RBS, juntamente com a estréia da TVCOM. No canal, produziu e apresentou o programa “Falando Abertamente”, por 11 meses. Em maio de 2001, assumiu as funções de editora chefe e apresentadora do telejornal “Bom Dia Santa Catarina” na RBSTV. Paralelamente, também em 2001, assumiu a produção e apresentação do Programa Sala de Visitas, na TVCOM.
Em abril de 2007 foi convidada para fazer parte da equipe do “Jornal do Almoço”. No telejornal, exerce as funções de repórter, editora e apresentadora, produzindo, editando e apresentando Quadros como o “Cidadão JA“, onde a comunidade reivindica soluções de órgãos competentes, quadro que, aliás, retorna na próxima semana ao Jornal do Almoço. Outro Quadro comandado por Laine é o Missão Mudança, que pretende realizar sonhos, provocar transformações na vida do telespecatdor, desde a transformação visual, que mexe com a auto-estima, como reconciliações, viabilizar oportunidades profissionais, reformas de imóveis, carros, tratamentos de saúde, surpresas...
Ainda divide a bancada do Jornal do Almoço com os colegas Mário Motta e Márcia Manfro.
Desde abril de 2009, Laine também apresenta o programa “Redação TV” de segunda a sexta feira, que traz as principais notícias da manhã de todo o Estado de Santa Catarina e antecipa os principais fatos do dia. 
Laine foi premiada diversas vezes por seu trabalho.  Ressaltamos aqui o prêmio Microfone de Ouro 2010,  como Melhor Apresentadora de TV, da Acaert - Associação Catarinense de Rádio e Televisão.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Brasil e Dilma, uma nova perspectiva

video

Pela primeira vez na história elegemos uma mulher presidente. Eleita pelo povo, pelo voto da maioria. Acreditamos numa grande mudança para o Brasil. Numa política renovada, uma política com maior sensibilidade, própria da mulher. Nosso país foi às urnas e a maioria escolheu Dilma Rousseff como representante do povo brasileiro.




           
Dilma, uma mulher de fibra e coragem que lutou até o fim para que pudesse vencer uma luta democrática para o bem de todos brasileiros. Acreditamos que este possa ser um governo com pé no chão, pautado na responsabilidade e onde o povo seja visto com maior respeito. Sabemos que todos os governos trazem mudanças e que nem sempre estas mudanças satisfazem a todos. Tendo sido Dilma co-participante do governo anterior de Lula, e partindo do pressuposto que foi um governo onde o povo foi realmente valorizado e onde o país teve um crescimento econômico, onde a inflação deixou de ser um número exorbitante.
Foram criados vários programas que ajudaram e muito, aqueles menos favorecidos. A universidade, por exemplo, deixou de ser uma utopia para os que não faziam parte da classe média alta.  A bolsa família que auxiliou as famílias sem renda. Para que os desempregados pudessem ver o pão chegar a suas mesas. Parece pouco, ou quase nada, mas para aqueles que não tem nada, que passam fome, é muito. Afinal nenhuma mãe quer ver seus filhos pedindo comida, pedindo por um pão e ela desempregada, dizer: - Hoje não tem. Sabemos de famílias que procuravam o leito sem ter o que comer, mas a bolsa família mudou essa realidade. E eram muitas estas famílias. Como não agradecer, como não ver? Não podemos fechar os olhos para esta realidade. Para a classe mais alta isso não fez diferença. Mas com certeza para os pobres, para as mães e para seus filhos essa foi uma grande diferença. 






Além disso, o brasileiro passou a comprar mais, muitos deixaram a classe pobre passando para a classe média. O desemprego diminuiu consideravelmente.
Fala-se que, em time que está ganhando não se deve mexer, o mesmo se aplica em nosso governo, em nossa política. O Brasil acreditou, e vamos continuar acreditando, e ainda mais, vamos fazer nossa parte. Porque não podemos querer sempre exigir somente e cruzarmos os braços. Mas vamos sim colocar a mão na massa, com união e trabalho de cada um e de todos é que um país cresce e que o nosso país será um país melhor, não podemos esperar só que os governantes façam. Vivemos num grande país, somos parte de uma engrenagem, e não podemos deixar que nenhuma das peças falhe. Cada uma por menor que seja é importante para o funcionamento do todo. Precisamos mais que nunca nos dar conta que somos cidadões que têm direitos, mas também deveres. Unidos chegaremos a um fim comum, unidos alcançaremos o que tanto almejamos. Que nosso país seja melhor. E se pudermos espalhar isso pelo mundo, aí sim podemos nos dizer felizes, podemos nos dizer um povo unido.
Nosso Brasil hoje com a primeira presidente mulher eleita na história, está no caminho para grandes e importantes mudanças. Precisamos ser responsáveis e lembrarmos que somos uma nação e uma nação não se faz somente com um representante, com um presidente, mas com o povo, por isso não podemos nos distanciar de nossas responsabilidades, e repito: por que para termos direitos antes temos que cumprir novos deveres. Um povo que luta unido vence as batalhas da vida juntos.

Ismênia Nunes

domingo, 24 de outubro de 2010

O lixo e a poluição, uma luta invisível


Qual será o futuro de nosso planeta? Resíduos sólidos e até tóxicos vêm sendo jogados a céu aberto indiscriminadamente. Estamos enterrando todo tipo de resíduos sem separá-los devidamente, acarretando a poluição do solo e do lençol freático. Não estamos dando a devida importância para que nosso planeta continue sobrevivendo. Esquecemos que precisamos do solo para plantar e colher além de nossas águas. Estamos jogando lixo onde vivemos sem nos atermos para as consequências deste ato. Simplesmente colocamos tudo num saco e nem queremos saber para onde tudo isto vai. Uma coisa é certa, toda ação tem uma reação e se não nos preocuparmos em cuidar do destino de nosso lixo hoje, amanhã não poderemos nos lamentar pelas consequências que virão.



 E não é somente o lixo, as queimadas precisam e devem deixar de existir. Nosso ar está cada vez mais prejudicado. E nossas árvores estão sendo tratadas como se fosse lixo. Ainda não conseguimos prestar atenção no ar que respiramos, precisamos estar atentos em cada detalhe. As nevoas que muitas das vezes passam por nossos céus e que nem damos importância. Mas e quando não mais tivermos o ar puro? E quando começarmos a sentir dor ao respirarmos? Parece algo muito distante? Pois digo que isto está mais próximo da realidade do que podemos pensar. E quando só conseguirmos respirar através de máscaras? Utopia? Inverdade? Não. Um dia só respiraremos através delas. Acredita ser algo muito distante? Parece impossível? Pode até levar cinquenta, cem anos, ou duzentos anos; mas esse dia, com certeza virá. Se continuarmos agindo desta forma as consequências serão inevitáveis.
           A terra, o ar e a água são nossos recursos mais preciosos e se não fizermos nada em breve o resultado baterá a nossa porta; e se não nós, mas nossos filhos sofrerão por nossas atitudes.
Não podemos esperar que o governo faça, esta é uma responsabilidade de cada um, de cada cidadão. Precisamos começar a reciclar o lixo em nossas casas, em nosso trabalho, nas escolas. Fazer campanhas com amigos e vizinhos que ainda não separam. Aprender a utilizar o lixo orgânico em nossas residências, incentivando e participando de programas de hortas, na comunidade, escolas; seja onde for; o importante é fazermos nossa parte. Isto não quer dizer que não possamos pressionar os governantes para que façam campanhas de incentivos e programas para que este reaproveitamento seja mais consciente. Afinal é para isto que nos representam.

É de suma importância que possamos enxergar a necessidade da reciclagem, do reaproveitamento do lixo, e do cuidado com a natureza, com a água e com o ar. Na verdade, estamos muito aquém do que é necessário fazer, as pessoas não estão conseguindo ver o quanto esse problema é grave. O aquecimento global nos mostra o que poderá acontecer num futuro próximo, com o descongelamento das geleiras as enchentes, as chuvas tóxicas. Se não aprendermos a reciclar estamos cada vez mais afundando o nosso planeta. Não estamos pensando em nossos filhos e netos que ficarão aqui e que sofrerão as consequências de nossos atos impensados.


Podemos e devemos reaproveitar 100% do lixo, o reciclado já tem sua destinação, basta aumentarmos o número de pessoas que reciclem, cada um precisa fazer sua parte. Além disso, o lixo orgânico também precisa ter um destino correto poderemos separar para hortas comunitárias ou mesmo latifundiárias, precisamos resolver definitivamente este problema. Um problema que não é do mundo, dos outros, é nosso.



sexta-feira, 22 de outubro de 2010

IMPASSE




Documentário IMPASSE – Em 22/10/10 agora na UDESC será novamente exibido o documentário impasse lançado no dia 16 de setembro 2010 na Reitoria da UFSC, em razão da semana do jornalismo. Na ocasião havia aproximadamente 700 estudantes no local. O auditório estava lotado, e no saguão da Reitoria foi colocado um telão para que outras pessoas pudessem também assistir. As pessoas estavam sentadas no chão, outras tantas em pé e ainda uma outra quantidade do lado de fora da reitoria. O vídeo mencionava os epsódios que contestavam sobre o aumento do preço do transporte. Na verdade falava-se em várias questões além de reclamarem o aumento, alguns queriam a Tarifa Zero, projeto do Engenheiro Lucio Gregori. Falava-se também em Passe Livre. Houve outras manifestações anteriores. Porém a  data marcada para a lembrança do episódio foi o 31 maio de 2010. Os jovens estudantes resolveram agir com relação ao sistema de transporte da cidade de Florianópolis. Queriam manifestar seu direito de protestar. Houve confronto com a PM, a cidade virou um caos. Anterior a essa data houve outras manifestações também muito expressivas, foram os anos de 2004 e 2005 onde tudo teve início. Na verdade no ano em que a manifestação surgiu foi onde o tumulto era geral, não havia ônibus, alguns foram depredados, os manifestantes não respeitavam a PM, havia um verdadeiro enfrentamento das forças policiais. O povo, a população ficou no meio do fogo cruzado, até bombas de efeito moral foram utilizadas para tentar minimizar a situação. Mulheres que passavam pelas ruas com crianças pequenas que vinham das escolas, creches temiam por seus filhos, e pelo desfecho daquilo tudo. As pessoas não conseguiam ir para suas casas, eram filas e filas, a polícia tentava manter a ordem, as negociações não aconteciam, foram dias de muita luta e sofrimento; se para os estudantes, para a população o impasse era maior, afinal ir para o trabalho era dificil, alguns iam de carona. Mas voltar? E a creche para crianças? Como passar por dentro da cidade com aquilo tudo acontecendo?




A ponte foi fechada pelos manifestantes. Porém isso não permaneceu por muito tempo, a PM interviu, apesar disso, neste momento as filas já eram imensas. O clima de nervosismo era geral a população que aguardava pegar coletivo era por demais grande e o caus no trânsito era inevitável. Os ônibus saiam lotados. Mas isso não diminua as filas em ocasião do fechamento da ponte. Ao final houve um acordo com a prefeitura e conseguiram baixar a passagem. O Impasse teve fim. Pelo menos era o que parecia.
            No dia 16/10/10 após a exibição do documentário os estudantes sairam em passeata e fecharam o trevo da UFSC por  cerca de 15 minutos. Liberado somente com a presença da PM. Qual o motivo de novamente fecharem a via pública? Será que os manifestantes só queriam causar tumulto?
PARTICULARMENTE não achei uma manifestação positiva afinal a cidade parou e o direito de ir e vir foi privado a muitos, a violência era visível. Os manifestantes não se importavam com os transausentes no local. A população, foi ignorada; mulheres com crianças, os idosos, o bem público. Era comum ver ônibus com vidros quebrados, ônibus queimados, atirava-se pedras nos coletivos, os lixos da cidade jogados ao chão, mas isso o vídeo Impasse não mostrou. E até porque não dizer o insulto a policiais; eram ofenças mencionando o nome da mãe, cuspes no rosto. Afinal eles estavam ali cumprindo o seu papel, tentando manter a ordem. Houve entrevistas com autoridades e neste momento havia uma total ironia, eram coros de risos e deboches. Universitários? Será? Com uma educação dessas? Uma total falta de respeito.
Valor venda DVD: 15,00
Documentário ESTRÉIA: 16 de setembro de 2010. 19h30, Auditório da Reitoria da UFSC. 
2ª. EXIBIÇÃO - 22/10/10 na UDESC.
Fotos: Juliana Kroeger e Hans Denis Schnaider.
Direção, Produção e Roteiro: Fernando Evangelista e Juliana Kroeger (Jornalistas).
Desenvolvedor Site: leandro.db@gmail.com
Realização: DOC DOIS comunicação
Patrocínio: UFSC, Apufsc, Sinergia Cut, Sindicatos Bancários, Associação dos Docentes da Faculdade da Udesc.Equipe: Produção Executiva: Marino Mondek
               Direção de Fotografia e Operação de Câmera: Fernando Evangelista
            Comissão de Edição: Carlos André dos Santos (Cazé), Fabrizio Reis Luciani,       Vinícius.
               Site: Leandro Monteiro dal Bó
               Assessoria de Imprensa: Luiza Bodenmüller


Ismênia Nunes


Defesa do Diploma de Jornalista






A FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas juntamente com seus sindicatos espalhados pelo território nacional defende a votação ainda para este ano da PEC Proposta de Emenda Constitucional que fala da defesa do diploma para a classe jornalística, além da Regulamentação da Profissão.
            O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina alega que existem dois tipos de profissionais, o que está jornalista, ou seja, trabalha na área já há algum tempo, mas que não tem o diploma e o que efetivamente é formado e que desta forma é jornalista por formação profissional. Defende que o profissional que está jornalista e que trabalha de carteira assinada na área terá esse reconhecimento profissional, por direito conquistado, podendo se filiar ao sindicato da categoria.  Mas continua por valorizar e apoiar o diploma, o aperfeiçoamento e o reconhecimento profissional.
            Segundo o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, o piso da categoria de jornalista é de R$ 1.300,00 com uma jornada de cinco horas podendo estender-se por mais duas horas.
 Foi constatado numa pesquisa realizada nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo que esses profissionais, desempenham um quadro de trabalho estressante, sem sábado, domingo feriados. Tendo graves conseqüências para a vida pessoal, familiar, além de consequências para a saúde física e mental.
 O Sindicato fala em uma saída coletiva, para que toda classe seja atendida, além de não termos a profissão regulamentada, não temos um salário nacional, o salário de Santa Catarina não é o mesmo do de São Paulo e Rio de Janeiro que atinge uma média de R$ 1.800,00 a R$ 1.900,00, trabalhando cinco horas por dia.        
 Existem profissionais que desempenham a mesma função de jornalista, porém não tem o diploma, trabalham uma carga horária de doze a quatorze horas por dia e têm um ganho de R$ 650,00. O que o sindicato quer é defender a humanização desses trabalhadores que já estão engajados na profissão e que por não terem o diploma, mesmo efetuando o mesmo trabalho ganham um valor muito aquém do piso.
A grande vitória agora é conseguir a votação da PEC ainda este ano, de outra forma seria recomeçar do zero, já que teria todo trabalho de convencimento dos deputados para que votem a favor da emenda.


Ismênia Nunes

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Estações

Estações

Na vida passamos por muitas estações,
Umas são frias, parece que doe a alma...
Outras são quentes e abençoadas,
 Mostram-nos o caminho e nos iluminam,
Outros são floridos, nos mostram que:
Mesmo depois de uma tempestade...
O sol pode voltar a brilhar,
A flor a se abrir...



                               



                 Os pássaros a cantar...
As estações vêm e vão,
Nem sempre como queremos,
Nem sempre a entendemos,
Mas com certeza, podemos dizer que:
     Mesmo depois de um dia
chuvoso ou nebuloso o
          SOL AINDA PODE
                                  VOLTAR A BRILHAR.
COMECE A DEIXAR O
BRILHO DE TEU OLHAR
E DE TEU SORRISO VOLTAR
VIVA, AQUI NESTA ESTAÇÃO!
Nesta ou em outra dimensão
A vida brilha e precisamos brilhar
Junto com ela,
Precisamos deixar..
                               A primavera desabrochar...

Ismênia Nunes

terça-feira, 5 de outubro de 2010

BOMBA NA FACULDADE

BOMBA NA FACULDADE
Bope encontra bomba de brinquedo na Faculdade      Estácio de Sá, em São José.Local foi evacuado por volta das 21h
Atualizada às 22h52min
Após mais de meia hora de vistoria na Faculdade Estácio de Sá, em São José, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) encontrou o falso artefato explosivo, um bomba de brinquedo. O prédio da faculdade foi evacuado por volta das 21h sob suspeita de bomba.

Uma estudante teria encontrado um objeto metálico com contador digital e alguns fios em um dos banheiros no 2º andar do prédio. Ela teria acionado a equipe de segurança da Faculdade, que mandou evacuar o prédio por precaução.
Os alunos foram retirados às pressas e o local foi isolado.



Alunos foram retirados da Faculdade Estácio de Sá, em São José, após suspeita de bomba
Fotos: Ismênia Nunes.


Bomba na Faculdade. Por Ismênia Nunes



Na noite de segunda feira, 04/10/10, por volta das 21h30m, estávamos todos na sala de aula, era dia de prova, quando de repente alguém veio avisar que havia uma bomba. A princípio pensávamos ser um trote, uma brincadeira e não levamos em consideração. Minutos depois uma funcionária da unidade confirmou a notícia, havia sim uma ameaça de bomba no recinto. Paramos tudo, entregamos as provas e saímos todos. Não houve tumulto, as escadas estavam cheias e o saguão também. O estacionamento estava lotado e não poderíamos concorrer com os carros que disputavam à saída, saí pela lateral. Na manhã seguinte a tevê e a internet e alguns jornais noticiaram que tinha ocorrido, foi encontrado pelo BOPE (Batalhão de Operações Especiais) uma falsa bomba. O material foi recolhido para análise. 
         Algum desocupado provocou toda aquela movimentação; agora era esperar que a polícia investigue a autoria.
 Mesmo não sendo uma bomba de verdade movimentou todos os estudantes, funcionários, bombeiros e policiais. Realmente coisa de quem não tem o que fazer.
          O que uma pessoa destas faz numa faculdade?

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Eu Posso Ver Claramente Agora

Eu Posso Ver Claramente Agora
Tradução da MúsicaI Can See Clearly Now - Jimmy Cliff -
 http://www.youtube.com/watch?v=0jsw_r0hILQ

video





Eu posso ver claramente agora, a chuva se foi

Eu posso ver todos os obstáculos no meu caminho

As nuvens pretas que me deixavam cego já foram

Será um brilhante,

um brilhante dia de sol

Será um brilhante,

um brilhante dia de sol

Oh sim, eu posso ver agora que a dor se foi

Todos os sentimentos ruim desapareceram

Aqui está o arco-íris, que tanto rezei
Será um brilhante,

um brilhante dia de sol

Olhe ao redor, não há nada além do céu azul
Olhe bem à frente, não há nada além do céu azul
Eu posso ver claramente agora, a chuva se foi

Posso ver todos os obstáculos no meu caminho

Aqui está o arco-íris, que tanto rezei

Vai ser um brilhante,

um brilhante dia de sol
Vai ser um brilhante,um brilhante dia de sol

O Negro

O NEGRO
Click no linck abaixo Música de
JIMMY CLIFF - I CAN SEE CLEARLY NOW
http://www.youtube.com/watch?v=0jsw_r0hILQ



Na pele a cor da beleza,

No corpo o peso do trabalho,

No olhar um sofrimento,

No sofrimento a dor...

Neste dia 13 de maio lembramos

Uma data que há mais de 100 anos

Fora notícia mais que esperada

Nossos negros tão mal tratados
Tão sofridos, precisam hoje ter a liberdade...

Precisavam viver

O que outrora não viveram

Eles, de pele de tom negro...
Tão negro quanto os olhos de um lobo
Hoje graças ao progresso já não existe

A dita escravidão. Tão cruel outrora.

Nossos negros habitantes tão lindos

Que vem somar a cultura e a raça do povo Brasileiro
Nossos negros...
Ah se pudéssemos apagar esse passado
Passado cruel onde outrora cometíamos tantas barbaridades
Esses homens e mulheres que ergueram nosso Brasil
E que hoje queremos mostrar que aquele passado
Não faz parte de nossas realidades e
Que o negro é e será muito bem vindo...
O negro é sim uma cor linda...
O negro é livre e terá que ser
Sempre livre para escolher
Seu caminho
O negro
Livre...
Livre...

Ismênia Nunes




quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Os golfinhos têm linguagem?

Temas: Língua e Linguagem
Questão: Os golfinhos têm linguagem?

Embora estas palavras tenham uma raiz em comum, não representam à mesma coisa.

A língua, no português são códigos, palavras e expressões, em nosso caso, dos brasileiros, a língua portuguesa é nosso idioma. Nele a forma culta mostra a maneira correta de aplicar nossa língua, é a maneira formal de se falar. Já no dia-a-dia falamos a linguagem coloquial, informal. Para a linguagem correta, é indispensável o uso da gramática, desta forma, colocando-a em prática, estaremos executando as regras de nossa língua oficial, o português.

Já a linguagem tem uma outra vertente. Ela é a prática da língua e da linguagem e que exercitamos nossa comunicação. Seja ela lactante como os animais ou golfinhos ou ativa como os seres humanos. Esta expressa em palavras, neste caso completa-se o ciclo da comunicação onde somente os humanos terão uma linguagem, já os gol filhos tem uma comunicação o que não é exatamente a mesma coisa. Para termos linguagem precisamos primeiro pensar, elaborar idéias, pensamentos, procurar palavras e construções adequadas de uma língua para que a fala pudesse ser entendida. Na comunicação tão somente, não existem estes caminhos, mesmo sem que haja um pensamento, uma idéia, construções de palavras os seres vivos, no caso os golfinhos se comunicam, mas não possuem uma linguagem. Embora estudos digam o contrário, acredito que aí o que existe é uma questão de interpretação e entendimento das palavras linguagem e comunicação. Os termos se contradizem, para nosso dicionário é aceita a idéia de que os animais tenham uma linguagem como veremos abaixo, mas analisando profundamente veremos que na verdade existe uma comunicação, eles sim se comunicam, mas não formalizam não de mostram raciocínio, portanto não caracterizaria uma linguagem e sim uma comunicação.

 
Língua e linguagem caminham juntas, embora sejam distintas, se unem no conjunto para atingirem o mesmo fim: A comunicação.

Segundo o dicionário: Linguagem é 1 - Faculdade de expressão audível e articulada do homem, produzida pela ação da língua e dos órgãos vocais próprios, a fala. 2 - Conjunto de sinais falados (glótica), de que se serve o homem para exprimir suas idéias e sentimentos. 3 - A voz dos animais. 4 - Língua, idioma, dialeto.


Estudos realizados pela Universidade de Southem Cross, em Lismore, na Austrália afirmam que os golfinhos têm uma linguagem. Essa comunicação é complexa e contextual. Em seu estudo Hawkins gravou 1647 sons de 51 diferentes grupos que habitam a região da Baia de Byron, no Estado de Nova Gales do Sul. Do total, identificou 186 assovios diferentes, dos quais 20 eram os mais comuns. Hawkins então separou os sons em cinco grupos tonais e descobriu que cada um deles era associado a comportamentos diferentes. Quando o grupo passeava, 57% dos sons analisados apresentaram forma sinoidal, isto é, com subidas e descidas simétricas. Já quando os animais descansavam ou se alimentavam, este tipo de assovios era menos comum. Quando os golfinhos se divertem, os sons eram quase sempre ascendentes ou em tons sustentados. Liz Hawkins percebeu que um destes sons de ’diversão’ era sempre repetido quando os golfinhos ’surfavam’ as ondas do barco do cientista. Um outro som foi identificado pela pesquisadora quando um golfinho se encontrava separado do grupo. ’Este assovio poderia definitivamente significar: ’ Estou aqui, onde está todo mundo’, disse Hawkins. Para outra pesquisadora da linguagem dos golfinhos, Melinda Rekdahl, da Universidade de Quensland, em Brisbane, ainda é cedo para saber se assovios tem assovios específicos. Rekdahl descobriu que os golfinhos em cativeiro emitem mais sons ao se alimentarem que os livres. A estudiosa diz ser possível que estes sons signifiquem expressões como: ’rápido’ ou ’aqui tem comida’.

No texto apresentado podemos ver que a linguagem permite que exista a comunicação.

Sejam ela lactente como animais (golfinhos) ou ativa como os humanos.


A linguagem e a língua se concretizam na fala.


A comunicação não necessariamente tenha haver uma linguagem ou uma língua.

Portanto os golfinhos se comunicam, mas não detém uma linguagem.

Linck Comunicação dos Golfinhos
http://sites.google.com/site/tursiopsbr/comunica%C3%A7%C3%A3oentegolfinhosesereshumanos


Conheça o Recanto das Letras
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/ismenianunes
Se desejar digite no google Ismênia Nunes


Ismênia Nunes - Autora -
Direitos Autorais
Registrados na Biblioca Nacional


DIREITO DO AUTOR
A prévia e expressa autorização
do autor é sempre necessária.
A proteção legal da autora
encontra-se no art. 79 e seus
parágrafos da nova Lei.

O Amor de um Mergulhador e uma Sereia

 

Lendas, histórias, fantasias, digam o que quiserem, mas eu, eu agora sei, elas, as sereias existem realmente... Podem me chamar de louco, não me importo, mas sei, elas existem...
Foi numa noite de primavera que tudo aconteceu e acreditem ou não, eu a vi, sim vi uma linda sereia...

Em todos os anos que mergulhava realmente não acreditava nessas histórias de sereias, até que, certa vez quando em um de meus acampamentos ouvi um cantar doce e suave... Conhecia o local e sabia que era inabitado... Fiquei curioso e procurei encontrar a dona daquela doce voz que na noite cantava... E me encantava...
Nunca, jamais passou por minha mente que pudesse ser o que vi...
Até hoje fico encantado pensando nela. Na dita noite... Procurando a dona daquela bela voz cheguei a um lugar em que ainda não havia estado... Era noite de lua cheia e avistei aquela mulher que então cantava, era uma música suave, divina, até então nunca ouvida, e fiquei ali parado observando-a, de boca aberta, pasmo, extasiado, sem poder acreditar, mas meus olhos não mentiam, não, estava ali diante de meus olhos... Ela, uma sereia...
A noite estava clara com a luz do luar, as estrelas enfeitavam o céu e no mar a luz da lua refletia... Ao longe grandes montanhas e ali, ali bem perto de mim ela estava, sim eu não acreditava, mas acreditem se quiserem... Era, era sim, uma sereia... Sem ação ali fiquei extasiado sem saber o que fazer... E ela com aquele doce cantar, cantava, cantava... Resolvi então me aproximar... Temia que ela me vice e não queria perdê-la de vista, lá ela estava. Naquela relva verde iluminada pela luz do luar... Uma sereia... Quem diria... elas existem...não é fantasia...e o seu cantar...ah sereia, não quero te assustar, somente quero a você me apresentar: _ Sou um mergulhador, um descobridor dos mares. Mas uma sereia, ah... Irão me chamar de louco, ninguém irá acreditar, eu ali diante do mar ouvindo aquela sereia cantar... Então em segundos ela atirou-se ao mar e eu nem pude a ela me apresentar... Ah... Sereia, linda sereia, ninguém iria em mim acreditar...
Naquela noite, não dormi, pensando nela, e em seu cantar...
Novo dia amanhece e tenho que mergulhar...
Será que irei achar ela no mar?
Mergulhei o dia inteiro, e nem sinal dela...
A noite chegou novamente e voltei aquele lugar...
Mantive-me escondido para ela não assustar...
Mais uma noite estrelada, noite enluarada iluminando o mar...
De repente, como um peixe que salta na água ela aparece e eu novamente ouço-a cantar...
Agora eu sei... eu sei, nas noites de lua cheia ela sobe a superfície, canta, canta, e em seu canto fala de amor, de um amor a encontrar...
Não tenho coragem de me aproximar, não quero perdê-la para o mar...




A lua então se esconde por detrás das nuvens ela então retorna ao mar. Retorno também ao meu acampamento, e penso: - Preciso com ela falar... Cansado, pensando nela adormeço...
Novo dia... Novo começo... Continuo meu trabalho no oceano, ciente que não a verei durante o dia... Então, de repente... Vejo algo estranho, diferente... Algo acontece no fundo do mar... Olho. Vejo, não acredito, não creio, devo estar sonhando... É ela, a sereia, em plena luz do dia... E eu ali parado, sem saber o que fazer...
E ela ao invés de fugir se aproxima, se aproxima...
Sem acreditar sou tomado por uma grande emoção...
Meu coração acelera, e vejo... Vejo-a bem perto de mim...
Ela certamente nunca houvera visto um bicho homem... Admirada, como eu, ela pára bem a minha frente, nós dois ali, no fundo do mar... Olha, dá volta ao redor, investiga , põe a mão em minha roupa de mergulhador e então: Sai rapidamente.
Eu ali debaixo d’àgua sem poder falar, penso, não, não, não vá... Fique, vamos conversar... Mas é tarde, tarde demais... Ela já foi, sumiu como mágica, da mesma maneira que apareceu...

Já é final de tarde e então retorno ao acampamento, mas desta vez com um propósito, sim com o propósito de com ela falar... Resolvo que irei novamente aquele lugar, penso deverei ir com a roupa de mergulhador, para ela não estranhar...
E assim procedo... Mas com tanta ânsia chego mais cedo... e ela não está...não veio na noite cantar...ah sereia...sereia...eu estou aqui neste mar olhando o céu, as montanhas,as estrelas, o mar, o mar...sim este mar iluminado pelo luar...Espero-te, espero-te, o tempo passa e você não vem...cansado, ali mesmo adormeço...
Sonho, sonho que estou no mar, que ela se aproxima, sim como aconteceu, só que neste sonho ela retira meu equipamento, minha fonte de oxigênio e eu pra não perder sua companhia seguro o ar... Mas ela, ela não pára por aí, ela me olha com olhos de amor, sim olha em meus olhos, se aproxima, e as pontas de seus dedos em meus lábios ela desliza...
Sinto agora seus lábios se unirem aos meus e quase sem ar, preciso retornar à superfície... Quando, num gesto de tentar chamá-la comigo e beijá-la ao mesmo tempo, acordo... E pra minha surpresa lá ela está a me beijar... Só que não no mar, mas em terra firme. Recupero-me da surpresa e com alegria retribuo-lhe o beijo... E ali nós dois estamos à beira do mar, do mar iluminado pela lua.
E ela canta, canta seu suave canto, e eu ali deitado em seu colo, ouço seu cantar... Então ela me conta que ali, ela somente está na noite de luar, quando nós combinamos,vamos sempre nos encontrar.


Linck Recanto das Letras - Divulgue sua página de autor:
Conheça o Recanto das Letras
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/ismenianunes
Se desejar digite no google Ismênia Nunes


Ismênia Nunes - Autora -
Direitos Autorais Registrados
na Biblioca Nacional
Proibida Reprodução
Sem devida autorização
E Créditos da autora
CONTATO: ismenia_nunes@hotmail.com


Direito do Autor
A prévia e expressa autorização
do autor sempre necessária.
A proteção legal do autor
encontra-se  no art. 79 e seus
 parágrafos da nova Lei.

Ilha das Flores



Ilha das Flores


( Alusivo ao curta metragem Ilha das Flores de 1989, de Jorge Furtado.  Mais de duas décadas depois nada melhorou.
http://www.portacurtas.com.br/pop_160.asp?cod=647&Exib=2769


video




Ao depararmos com este nome Ilha das Flores, logo nos vem à mente um lugar bonito, onde a natureza esteja preservada e que haja muitas flores, porém para surpresa de nossos olhos, é exatamente o contrário é muito diferente do que o nome sugere. As pessoas da cidade mandam seu lixão localizado no município de Porto Alegre; para o lugarejo com este nome, Ilha das Flores.


                                            











Em Ilha das Flores não vemos flores, não vemos nem se quer uma ilha, mas sim vemos um lugar triste, pobre, na verdade miserável, onde somente encontramos: lixo, porcos, mulheres e crianças miseráveis e com fome. Talvez o lugar pudesse ser chamado Ilha da Fome. Estas pessoas fazem filas junto a suas “crias”, para conseguirem um pouco do que os porcos não querem, eles têm cinco minutos para pegar o que puderem, sim, cinco minutos para pegarem restos de comida que não serviu para comer, que foi para o lixo, que o porco não comeu. Cinco minutos são 300 segundos e desde 1958 o segundo foi definido como 9.192.631.770 ciclos de radiação de um átomo de césio. Que é material inorgânico e é encontrado no lixo em Goiânia. E que para nossa tristeza e daquelas famílias, é um material tóxico e que foi responsável pela morte de muitas pessoas.

Essas pessoas embora consideradas seres humanos, são pessoas que vivem em condições desumanas, segundo as definições do vídeo, distingue-se os animais dos humanos por seu tele encéfalo altamente desenvolvido, por possuir polegar opositor (capaz fazer movimento de pinça), e por ter liberdade. Mas como podemos admitir que pessoas, possam viver de maneira tal. Que e que comam o que sobra dos porcos? De uma forma tão desumana que ao comerem venham a morrerem contaminadas.





O césio matou muitas pessoas. Nosso descaso com o meio ambiente, com a questão do lixo, com a questão da água, das matas, seja desmatamento, seja queimando, tudo que envolva o nosso eco sistema. O lixo sem tratamento trás muitas consequências ao homem e ao planeta, as águas. Nosso lençol freático está também sendo poluído pelo lixo jogado em todos os cantos do planeta. Como ficaremos sem água? As matas sendo devastadas, queimadas.

As queimadas aumentando cada vez mais, falou-se num aumento de mais de quinhentos por cento das queimadas, ela além de acabar com nossa reserva verde, nosso ar, está agora começando a formar em todo Brasil uma nevoa de poluição, daqui a pouco não teremos mais ar puro para respirar.


Muitas famílias vivem ainda está situação da Ilha das Flores, uma coisa leva a outra, um lugar com um nome deste poderia ser um patrimônio para a humanidade, mas o que fazer se até os que são patrimônios, reservas ambientais estão sendo destruídos?                 
Ilha das Flores, desta forma como assisti no filme que decepção, não era o que queríamos ver; ler. Mas é a verdade, Ilha das Flores existe e seu destino é triste, mas nós não estamos longe deste destino, por que o homem está tendo a liberdade de fazer o que quer com seu planeta, a liberdade de plantar, mas terá que colher as consequências de seu plantio impensado.


Você já imaginou o que será de nós de nossos filhos num futuro próximo? Sem água para beber, e respirando um ar poluído? Aumentando cada vez mais as doenças respiratórias? Não falo somente de lançamento de fábricas não; mas da poluição provocada por nós mesmos. Em nosso dia a dia pela falta de reciclagem de lixo, pelas queimadas. Ainda há tempo se cada um fizer sua parte. Não é muito que precisamos fazer, precisamos nos conscientizar a fazer as pequenas grandes coisas.

Separar o lixo, cuidar de nosso meio ambiente, não desmatar, plantar árvores.
Mas o que fazemos? Nada.    

Hoje pela manhã acordei às 06h30min da manhã e senti um forte cheiro de fumaça, levantei-me e fui verificar. Pensei que pudesse mesmo haver algo queimando na casa. Procurei e nada, então fui até a porta. Era uma nevoa que cobria toda cidade, não acreditava que em nossa cidade Florianópolis ao sul do Brasil, bem longe das queimadas pudéssemos estar agora passando por uma situação destas, talvez muitas pessoas estivessem ainda dormindo e nem sentiram ou viram este fenômeno, dias atrás já haviam noticiado que esta nevoa era decorrente das queimadas, mas antes, porém não se sentia o cheiro. Não estávamos nos dando conta que esta nevoa pudesse viajar, mas pode viajar milhares de quilômetros e até aqueles que acreditam ser imunes sentirão o peso da falta de cuidado com nosso planeta. Desta forma quem sabe ao invés de Ilha da Magia estaremos chamando nossa cidade de Ilha das Flores.


26/08/2010     Fumaça das queimadas na Argentina forma névoa de poluição em Florianópolis (SC)

A capital de Santa Catarina está coberta por uma névoa na tarde desta quinta-feira. O céu está cinza e há sensação de ar abafado. De acordo com meteorologistas da Epagri/Ciriam, órgão estadual que monitora as condições climáticas, o nevoeiro é causado pela presença da massa de ar seco, que impede a chegada de outro sistema que pode mudar o tempo da região, como uma frente fria. O ar seco e quente não consegue se deslocar para outras regiões por causa desse "bloqueio" na atmosfera. Existe também influência da fumaça vinda da Argentina, onde há 79 focos de incêndios nesta terça, e das queimadas na região Centro-Oeste do país. Em Santa Catarina, há apenas dois focos, em Capão Alto, na Serra. O nevoeiro que se estabilizou na Capital não prejudica os voos no Aeroporto Internacional Hercílio Luz, que opera normalmente. Já em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o Aeroporto Salgado Filho ficou cinco horas fechado para pousos, sendo que os voos sofreram atrasos e alguns foram cancelados. Neste momento, o aeroporto opera por instrumentos. Segundo os meteorologistas, a diferença da névoa que cobre o céu catarinense e o gaúcho é que aqui ela é seca e lá, úmida.





Linck Recanto das Letras - Divulgue sua página de autor:
 


Ismênia Nunes - Autora -
Direitos Autorais Registrados
na Biblioca Nacional